Rádio Online
 
 
pub
Home > Estudos > Estudos da Célula > Eis Que Faço Coisa Nova (Parte 1)

Estudos da Célula

Eis Que Faço Coisa Nova (Parte 1)
 

Texto Base

Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo. Os animais do campo me glorificarão, os chacais e os filhotes de avestruzes; porque porei águas no deserto e rios, no ermo, para dar de beber ao meu povo, ao meu escolhido, ao povo que formei para mim, para celebrar o meu louvor.” (Is 43:18-21 – Tradução Almeida Revista e Atualizada)

Introdução

A cada início de ano as pessoas se cumprimentam desejando um novo ano de prosperidade e sucesso. Ouve-se constantemente: “Feliz Ano Novo”. Cantam a música: “Adeus Ano Velho. Feliz Ano Novo...”. A expectativa das pessoas é de que o ano que está nascendo seja muito melhor do que aquele que passou. A esperança é que no Ano Novo aconteçam coisas novas e diferentes.

Creio que a expectativa do povo de Israel por coisas novas e diferentes na época do profeta Isaías era ainda maior que a expectativa da grande maioria das pessoas atualmente. No meio da situação calamitosa que os israelitas encontravam-se, uma vez que estavam sendo levados ao cativeiro Assírio e Babilônico para serem escravos, Deus dá uma boa notícia: “Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Esta experiência nos aponta para um princípio divino: quando estamos cansados e desesperados diante da situação atual, Deus vem a nós e diz que está preparando coisas novas. Estes novos dias precisam ser conquistados pela fé, pois tudo que alcançamos de Deus, alcançamos pela fé. Segundo a palavra de Deus através de Isaías a primeira coisa que devemos fazer para trazer o novo de Deus a existência é:

“Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas.” (v. 18)

1.   Quem não esquece o passado está incapacitado de viver o futuro

Antes de Deus poder fazer qualquer coisa nova é necessário esquecer as antigas. É necessário esquecer as coisas que aconteceram, porque “se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (II Co 5:17).

O cérebro humano tem a característica de só poder receber uma imagem por vez. Por exemplo: o cérebro de uma pessoa estrábica (caolho), que tem um olho olhando para uma direção e outro para outra, só recebe uma imagem (um olho fica inutilizado, pois o cérebro não consegue receber duas imagens ao mesmo tempo). A pessoa que está com sua mente voltada para o passado, não pode ao mesmo tempo olhar para as coisas que Deus está para fazer no futuro. O passado impede o grande futuro que Deus tem preparado. Antes de Deus dizer que estava para fazer coisas novas, Deus estabeleceu uma condição: “esqueçam o que se foi; não vivam no passado” (v. 18 NVI).

Todos que estão ligados ao passado não estão aptos para viver o futuro glorioso de Deus. Quando a esposa de Ló olhou para traz, sua caminhada terminou, seu futuro acabou (Gn 19:26). Temos que seguir o conselho do apóstolo Paulo: “uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Fp 3:13)

2.   Devemos esquecer as coisas ruins

As coisas passadas e antigas que não devem mais ocupar espaço em nossas mentes incluem coisas boas e ruins. A Palavra de Deus nos ensina a esquecer ambas as experiências e memórias. Muitas vezes pensamos que devemos apenas esquecer, ou não trazer a memória, as coisas ruins. Mas a Bíblia nos ensina que “tudo” passou, que “tudo” se fez novo, tanto as coisas boas como as ruins.

As coisas ruins que nos aconteceram nos trazem lembranças ruins. Temos que apagar de nossa memória os vários tipos de feridas e dores em nossa alma provenientes de falhas, tropeços, derrotas, pecados, calamidades e ataques que recebemos. Ao invés de gerar esperança, estas coisas geram tristeza, mágoa, ressentimento, medo, ódio, inveja e desejo de vingança. Estas coisas produzem em nós uma baixa auto-imagem e conseqüentemente uma baixa auto-estima. Estas coisas nos prendem ao velho e impedem que venhamos a experimentar o novo.

3.   Devemos também esquecer as coisas boas

Muitas vezes pensamos que devemos deixar apenas para trás as coisas ruins que nos aconteceram. Mas quando Deus nos fala que devemos esquecer nosso passado Ele não faz distinção entre o bom e o ruim. A verdade é que tanto as coisas boas como as ruins que nos aconteceram nos limitam em relação ao novo. As coisas boas do passado também já se foram. Agora Deus quer fazer coisas maiores e melhoras. Coisas diferentes. Coisas novas. Quem fica ligado com as coisas boas do passado não dá lugar às coisas melhores do futuro, pois limitamos o novo com a satisfação do passado. Podemos assim dizer: “o bom do passado é inimigo do melhor do futuro”.

Quando o povo de Israel saiu do Egito em direção a terra de Canaã, eles não esqueceram as coisas boas do passado. Logo na primeira dificuldade disseram: “Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça; e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das cebolas, e dos alhos.” (Nm 11:5) O bom do passado os estava impedindo de olhar e caminhar em direção ao excelente do futuro.

Conclusão

Todas as pessoas que tem suas mentes e emoções ocupadas com o passado não estão aptas a um Ano Novo de coisas novas com Deus. Nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossos sonhos, nossos anseios e nossas palavras devem estar alinhadas com o novo que Deus está para fazer. Nossas emoções devem estar ligadas com o futuro. Nossa saudade não deve ser daquilo que passou, mas daquilo que está para vir. Devemos estar com saudades do futuro e não do passado. O profeta Jeremias sabia trazer a existência um futuro glorioso. Ele dizia: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.” (Lm 3:21).

Continua…

Ricardo Wagner, apóstolo

08/01/2009

Veja Mais...

12/Dez/2008

Influenciadores.

 
29/Nov/2008

Futuro Glorioso!.

 
13/Ago/2008

Paternidade Urgente!.